MUITO PRAZER

 
EDB7EE8F-0A2F-4F5B-9FD6-49F998A4E468.jpg
 
 

Mauricio Veiga

mau.png
 
 

Sempre fui incentivado a cuidar da natureza. Não à toa, a educação que recebi de meus pais colaboraram para a escolha da minha carreira. A geografia me mostrou a imensidão do mundo e, consequentemente, os problemas ambientais se tornaram visíveis.

Ainda estudante criei meu primeiro projeto socioambiental, a Eco Brooklin: uma iniciativa para mobilizar moradores do bairro do Brooklin, em São Paulo, a criarem mais áreas verdes em seus pequenos espaços, colaborando, enfim, para melhor qualidade de vida na cidade. Ao passo que aprendia sobre jardinagem em meu primeiro estágio, no Parque da Previdência, partilhava o conhecimento por onde passava. Gostei tanto que fiz um curso de permacultura na GeoCasa, com a Cristina Brasileira e um curso de jardinagem na UMAPAZ. Em seguida, participei da implementação da ONG Teto para o meu país no Brasil e durante dois anos gerenciei todas as construções, uma a uma, junto de uma equipe que, por vezes, beirava cem pessoas.

Em 2009 entrei para o Greenpeace e, ao longo dos seis anos tomando frente do projeto nas ruas e fora delas, reavaliei meus valores, meus hábitos e a minha relação com a natureza.

Chegamos a ter sete equipes lideradas por mim em São Paulo, quando decidi, mais uma vez, expandir minha visão de mundo e experimentar a vida em outro país. Escolhi a Nova Zelândia pela sua fauna e flora preservada e lá me profissionalizei na área de paisagismo pela escola Primary ITO, onde estudei profundamente todo o processo de implementação e manutenção de áreas verdes em residências, comércios e áreas públicas. Quatro anos depois de trabalhar como líder de equipe e capacitação de novos jardineiros na melhor empresa de Paisagismo e Jardinagem do país, a Humphreys Landscaping, encerrei o ciclo para mais um grande passo: o de criar a minha própria empresa.

All greens é uma empresa especializada em serviços de paisagismo e jardinagem cuja principal missão é estreitar o relacionamento entre o homem e a natureza, através de implementação e manutenção de jardins estéticos e funcionais, conteúdo educacional sobre sustentabilidade, ações comunitárias e promoção de saúde e bem estar para todos.

Nascemos na Nova Zelândia, em setembro de 2018 e nosso nome é inspirado no melhor time de rugby do mundo, o nativo All Blacks.

 
 

Mayara Castro

may.png
 
 

Sempre acreditei no poder de uma história bem contada. Mais que isso, nas possibilidades de propagar o seu valor e significado.

Sou comunicadora desde que me conheço por gente, empreendedora desde 2014 e nômade digital. Meu maior prazer é dar vazão à iniciativas transformadoras, protagonizadas por pessoas que desejam cuidar do mundo e a elas apresentar um universo de possibilidades para a construção e expansão de sua mensagem.

Pequenas ideias têm um enorme poder de transformação social, basta plantarmos a sementinha e cuidarmos do solo para que elas gerem bons frutos.

Sou fã das árvores, apaixonada pela natureza e seu poder medicinal, fundadora do projeto Memória Seletiva e cocriadora da All greens.

 
 

Gabriela Veiga

gabi.png
 

Apaixonada pelo meio ambiente, aos vinte anos decidi viver por um período na Floresta Amazônica e foi lá que me encantei e quis voltar para São Paulo para fazer faculdade de Biologia. Aprofundei em Botânica, fazendo Iniciação Científica no Instituto de Botânica de São Paulo e mais tarde fiz uma Pós em Gestão Ambiental. Fui diretora de uma OSCIP de Direitos Animais e Humanos por 3 anos além de Gestora Ambiental de uma indústria de cosméticos veganos.

Mas o que mexia comigo era enxergar um futuro através da educação e foi então que me formei como educadora ambiental no Projeto CINESOLAR, um projeto que leva cinema com energia solar pro Brasil todo junto com oficinas de sustentabilidade.

Hoje, formada também em teatro e trabalhando como atriz, junto todas as paixões em um trabalho dedicado a formação de agentes ambientais.